terça-feira, 5 de Fevereiro de 2008

HOMENAGEM AO POETA ANTÓNIO FORTE - Setembro de 2005

Por iniciativa de Brites dos Santos, um grupo de poetas "Poetas da Póvoa" e "Elos da Poesia" homenagearam na noite de 23 de setembro de 2005, António Forte, um grande poeta nascido na Povoa de Sta Iria.




A homenagem realizou-se no Salão Nobre da Quinta da Piedade, gentilmente cedido pela CM de V.F. de Xira.

Vários poetas recitaram poemas de António Forte acompanhados à viola pelo nosso querido amigo José Afonso.





António José Forte nasceu em 1931, na Póvoa de Santa Iria. Ligado ao movimento surrealista, fez parte na década de 50 do chamado grupo do Café Gelo.


Trabalhou na Fundação Calouste Gulbenkian, onde desempenhou durante mais de vinte anos as funções de Encarregado das Bi-bliotecas Itinerantes. Faleceu em Dezembro de 1988.

Foi casado com a Pintora Aldina,

que não esteve presente na homenagem, por razões de saúde.



Entre outros livros publicou:

40 Noites de Insónia de Fogo de Dentes numa Girândola Implacável e Outros Poemas (1958)


Uma Rosa na Tromba do Elefante(1971) – livro para crianças


Uma Faca nos Dentes (1983) – prefácio de Herberto Helder e desenhos de Aldina


Azuliante (1984)


Caligrafia Ardente (1987)


Corpo de Ninguém (1989)


Uma Faca nos Dentes (2003)– reedição com inéditos

AZULIANTE

Este poema
começa com um homem de tronco nu
à sua mesa de trabalho e hiante
a esta hora em que de oriente a ocidente
se acendem lâmpadas trémulas e bárbaras e ferozes
e o mar é o teu nome a esta hora pétala a pétala
em que subirei de avião para ir beijar-te os olhos
e ver no meio do deserto o único
o magnífico devorador de rosas a comer um pão
enquanto do Oceano resta apenas
o silêncio de uma lágrima caindo nos joelhos de uma criança
Espera-me onde um nome há no Ar escrito com saliva azul
com raiva azul
como a urina violenta dos amantes
com a sua flor azul à superfície onde crepita a morte

Choverá muito eu sei choverá muito
e não porei uma pedra branca sobre o assunto digo
sobre o tremor de terra em que tu danças
na tua roda de cigarros cada vez mais depressa cada vez mais depressa
e lento o peixe de plumas de águia letra a letra
dá a volta ao mundo dos teus olhos
enquanto a dentadura cintilante pronuncia o grande uivo
de oriente a ocidente

Certas palavras muito duras quando a noite cai
não devem ter outra origem sabem tão bem quanto eu
porque agora a lava das lágrimas ao crepúsculo
são as rosas com que o poeta fala
à multidão em volta do crocodilo o animal repugnante
de costas para a luz contra o grande uivo:
de oriente a ocidente a mesma flor podre o estado
os segredos de estado as razões de estado a segurança do estado
o terrorismo de estado os crimes contra o estado
e o equilíbrio do terror
de oriente a ocidente meu amor de oriente a ocidente

Digo não Eu digo não
digo o teu nome que diz não

No entanto às portas da cidade e ao pé de cada árvore
à espera que tu chegues ou passes simplesmente
estão os grandes do império com o chapéu na mão para cumprimentar-te
Então passas tu com a lua no peito
dividindo distribuindo os alimentos
passas tu devagar atirando as moedas
que os dias não aceitam e gastamos depressa
noite mil e uma noites de quem espera
Meu amor países pátrias têm todos um nome
de letras imundas que não é para escrever
Se ainda podes ouvir o búzio da infância
ouvirás com certeza o sinal de partir

No comboio multicor sobre carris ferozes e azuis
que há mil anos dá a volta ao mundo
sou eu o homem que viaja nu porque eu sou
o arco-íris e a rosa no trapézio
e tu toda a paisagem que atravesso
como se fosse de bicicleta
como se fosse sílaba a sílaba
a primeira frase da terra
tu com as tuas luvas de amianto ao lado do vulcão
com a tua máscara de olhar a aurora boreal
de me olhares para sempre nua eu a tempestade
de coração a coração

Roda sórdida da razão cínica e canto de galos
depenados vivos que cantam nos intervalos da morte
no meu livro de horas deste século
está escrito que o homem livre fará o seu aparecimento
sob a forma de um cometa de cauda fascinante
que arrastará os amorosos até ao centro do mundo
donde partirão na rosa-dos-ventos e este será o sinal



CIDADANIA - Chamada de atenção 001



Cidadania!

Pois é, eu sei que é um palavrão.
Citando o PORTAL COESIS:


"Todas as pessoas vivem em conjunto umas com as outras, isto é, nós não vivemos sozinhos, vivemos em comunidade.

Para que as pessoas se consigam entender e para que não existam conflitos entre elas, é necessário que todos cumpram um conjunto de regras. Estas regras vão permitir que todos possam viver da melhor forma e com o maior entendimento entre todos.

A Cidadania é, então, percebermos bem quais são os nossos direitos e os nossos deveres para com os outros e dessa forma, sabermos viver em sociedade.

A Cidadania é termos responsabilidade perante aquilo que fazemos; é sermos solidários para com os outros, isto é, procurar ajudar sempre quem precisa de nós.
Ser cidadão significa estar atento a todas as decisões que são tomadas e que influenciam a nossa vida. Ser cidadão é chamar a atenção sempre que acontecer alguma injustiça, sempre que algo estiver mal.

No fundo, ser cidadão é participar na construção de um futuro que é comum a todos".


Portanto, digo eu neste contexto que uma atitute importante do direito à cidadania é:
"...chamar a atenção sempre... que algo estiver mal".

Neste contexto irei "chamar a atenção" para coisas da nossa terra (Póvoa de Sta Iria) quando entender que se torna necessário. E até pode ser necessário por "pequenas coisas" que é de pequenas coisas que a vida é feita.

Já agora:
Quem se achar demasiado grande para fazer coisas pequenas é de certeza demasiado pequeno para fazer coisas grandes.


VAMOS ENTÃO AO QUE INTERESSA HOJE:
Nas traseiras da Praceta Oliveira Martins existe um parque de estacionamento.
Por aqui passam centenas de pessoas por dia para terem acesso a outras Pracetas.

O caminho, se assim se pode chamar, é íngreme e feito de terra e pedras. Já tem havido quedas. Passam por lá pessoas de todas as idades.

Não será um direito de cidadania ter um acesso adequado? UMA ESCADINHA POR EXEMPLO? Fica a sugestão a quem de direito.






Nestas questões de caminhos nas povoações é importante que os responsáveis locais saibam "EXACTAMENTE" que caminhos deverão construir e só há uma maneira de o saber: Serem as pessoas a escolhê-los.

Só por mero acaso os caminhos escolhidos nos gabinetes são aqueles que as pessoas realmente querem.

Por isso mesmo vemos muitas vezes "caminhos desenhados" e realmente utilizados, pelo meio de jardins, de zonas de terra, etc. são esses os verdadeiros e únicos que interessam. Os outros... ficam abandonados e não utilizados.

Que tal os tais responsáveis locais estarem atentos às preferências das populações e começarem a construir os caminhos que as pessoas acabam por "desenhar" Não será boa ideia?


segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008

Caíu NEVE na Póvoa de Sta Iria

29 de janeiro de 2006.
Na verdade estava muito frio mas nada o fazia prever. Depois do almoço ouvimos na TV que estava a nevar em Santarém... olhei para a janela e dei um grito à minha mulher... ANDA VER ESTÁ A NEVAR... claro que ela pensou que era eu a brincar... depois ainda dei uma saltada à praceta para fazer uma guerra de neve... :) mas não sem antes fazer umas fotografiazitas!

domingo, 3 de Fevereiro de 2008

"MOAGENS DE SANTA IRIA"


Ruínas da "Companhia de Moagens de Santa Iria" (moagem de cereais), fundada em 1877. Segundo se diz o complexo vai ser recuperado e transformado em Museu da Indústria. Aguardemos.
O edifício merece uma visita, pela sua beleza arquitectónica.


Ao fundo pode ver-ser o "Mouchão da Póvoa", uma pequena ilhota no meio do rio.
Qualquer dia falarei dela.

VISTA AÉREA DA PÓVOA - Zona da estação ferroviária

UM POUCO DE HISTÓRIA


A Póvoa de Santa Iria

é uma freguesia portuguesa do concelho de Vila Franca de Xira, com 3,95 km² de área e 24 277 habitantes (2001). Densidade: 6 141,4 hab/km². Foi desmembrada da freguesia vizinha de Santa Iria de Azóia, no concelho de Loures, em 13 de Abril de 1916; aí permaneceu integrada até 1926, altura em que transitou para o município de Vila Franca.

Um surto de desenvolvimento industrial associado a um forte crescimento populacional contribuíram para a sua elevação a vila em 24 de Setembro de 1985, à qual se seguiu, volvidos poucos anos, a atribuição do estatuto de cidade, em 24 de Junho de 1999. Tem por oragos Santa Iria e Nossa Senhora de Fátima.As grandes festas da cidade ocorrem no 1º fim-de-semana de Setembro e são em honra de Nossa Senhora da Piedade.


Património
Quinta de Nossa Senhora da Piedade e Palácio de Nossa Senhora da Piedade, todos os elementos que se encontram intramuros e a igreja

Principais Festividades
Nossa Senhora do Rosário de Fátima-> Maio
Festa das Bragadas-> Agosto
Nossa Senhora da Piedade-> Setembro

Ver Wikipédia e Freguesia